Artigos

Carcinoma escamoso de laringe em paciente com esclerose sistêmica progressiva

RESUMO:

Este é o caso de um homem com diagnóstico de esclerose sistêmica, que foi diagnosticado com carcinoma de laringe em estado avançado, seis anos após o início do acompanhamento.

O paciente apresentava-se com alterações articulares importantes em mão, rigidez articular, pele lisa e microstomia. Procurou o serviço por notar tumorações na região submandibular, associada à importante disfagia. Tomografia de pescoço mostrava lesão infiltrativa e biópsia de laringe e hipofaringe, com confirmação para carcinoma escamoso invasor.

Esse caso demonstra a importante relação entre a esclerose sistêmica e o aparecimento de câncer anos após o diagnóstico.

INTRODUÇÃO

A esclerose sistêmica é uma doença reumática imunomediada, que caracteriza-se por fibrose cutânea, órgãos internos e vasculopatia. Nos Estados Unidos, dados apontam uma incidência de aproximadamente 20 casos por milhão por ano e uma prevalência de aproximadamente casos por milhão. Não existem estudos brasileiros que descrevam a prevalência e incidência, o que pode ser atribuído ao fato de ser uma doença rara e do alto grau de miscigenação da população.

Os critérios diagnósticos do American Rheumatism Association de 1980 para esclerose sistêmica são:

1. Esclerodermia proximal é o único critério maior; sensibilidade de 91% e especificidade em 99%;

2. Esclerodactilia, ulcerações de polpas digitais e reabsorção de falanges distais, como resultado de isquemia, fibrose nas bases pulmonares presentes em radiografia de tórax.

Existem duas formas clínicas, de acordo com os critérios de LeRoy, em que a esclerodermia pode ser classificada, sendo a esclerose sistêmica cutânea difusa, com fenômeno de Raynaud - dentro de um ano, afeta tronco, face, membros, crepitação tendínea e comprometimento visceral (fibrose pulmonar, crise renal, doença gastrointestinal difusa e miocardioesclerose); e a forma cutânea limitada, com fenômeno de Raynaud presente por anos - envolvimento da pele em ritmo lento, com preferência para cotovelos, joelhos e face. Além de apresentar calcinose e telangiectasias.

Quanto aos critérios de 1980, existem algumas limitações, dentre as quais destacam-se que elas não classificavam algumas formas cutâneas limitadas, não incluíam anticorpos, dentre outros. Em 2013, o European League Against Rheumatism (EULAR) e o American College of Rheumatology revisaram os critérios diagnósticos, aprimorando sensibilidade e especifi cidade, principalmente no diagnóstico precoce.

A associação da esclerose sistêmica com câncer é descrita em diversos estudos populacionais, sendo os principais relatados: pulmão, câncer de pele não-melanoma e hepático. Adenocarcinoma de esôfago é relatado principalmente decorrente do refluxo gastroesofágico crônico. Nesta situação, apresentamos um caso de carcinoma de laringe em um paciente com diagnóstico de esclerose sistêmica há 6 anos.

RELATO DE CASO

Paciente de 58 anos, masculino, pardo, lenhador aposentado, etilista e tabagista há 30 anos, procedente de Iaciara-GO, com diagnóstico de esclerose sistêmica progressiva desde 2011, apresentando acometimento cutâneo difuso associado às retrações articulares. Em 2013, procurou o serviço com queixas pulmonares, sendo realizados exames complementares que mostram acometimento respiratório - Espirometria mostrava redução de capacidade vital e Tomografia computadorizada mostrava fibrose pulmonar em lobos inferiores, bronquiectasias. Desde então, paciente ficou em acompanhamento ambulatorial é foi iniciada ciclofosfamida, porém, devido a baixa adesão, foi substituída por azatioprina.

Procurou o serviço em março de 2017, com queixa de aparecimento de tumorações, desde novembro de 2016, em região submandibular dolorosa, associada à presença de disfagia progressiva de sólidos até pastosos - posteriormente. Apresentava tosse com hemoptoicos, além da perda de peso de 6kg em 3 meses. Além das drogas já descritas, fazia uso também de omeprazol, amiodarona, ácido acetilsalicílico e prednisona. Ao exame físico, o paciente estava emagrecido, com fácies esclerodermias e microstomia. Presença de tumorações em região submandibular, fixas e indolores.

Histórico de tabagismo: 28 maços/ ano, com cessação junto ao diagnóstico de esclerose sistêmica.

Ecografia cervical mostrou linfonodomegalias, com centro necrótico, em cadeia submandibular esquerda. Tomografia de pescoço mostrou extensa lesão infiltrativa, envolvendo o espaço mucoso faríngeo da orofaringe, estendendo-se para o assoalho da boca, medindo aproximadamente 6,4 cm no eixo longitudinal; 4,3 cm antero-posterior e 3,2 cm latero-lateral. Linfonodomegalia necrótica na cadeia cervical II A e II B. Tomografia de tórax mostrou imagem cística em base posterior pulmonar esquerda (?)

Biópsia de laringe e hipofaringe mostrou carcinoma escamoso invasor moderadamente diferenciado. Dois meses após, o paciente foi submetido à traqueostomia de emergência, devido ao risco de Insuficiência Respiratória, por conta da massa tumoral. Foi iniciada quimioterapia adjuvante, enquanto aguardava-se pela radioterapia. O paciente ficou seis meses no serviço, onde foi encaminhado para os Cuidados Paliativos.

DISCUSSÃO:

Descrevemos um caso de câncer de laringe em paciente com diagnóstico de esclerose sistêmica já há 6 anos antes. Na prática ambulatorial, é pouco comum os casos de esclerodermia e torna-se raro quando considerado o sexo masculino.

A relação do câncer com esclerodermia na população é consideravelmente maior que a população geral. A descrição da formação de esclerodermia e neoplasia é apontada em diversos estudos. Uma metanálise selecionou 16 estudos originais, 33 estudos de cortes e 3 estudos de caso-controle, em diversas regiões do mundo (EUA, Europa, Austrália, Japão e Taiwan). Essa análise contou mais de 7000 pacientes e apontou uma predominância nos cânceres de pulmão (adenocarcinoma principalmente), hematológicos e de mama (além de outros sítios, como gastrointestinal, prostático, renal etc.).

Os mecanismos do câncer nos pacientes com esclerose sistêmica ainda são pouco conhecidos e controversos. Dentro dos fatores importantes, podem ser citados a terapia imunossupressora para esclerodermia e o processo inflamatório crônico - associado ao reparo, poderia predispor uma transformação maligna. Este último mecanismo poderia ser associado principalmente ao câncer de pulmão e o adenocarcinoma de esôfago, por conta da fibrose pulmonar e doença do refluxo gastroesofágico.

Shah e Rose observaram 23 pacientes com esclerose sistêmica e diagnosticados com câncer. Constataram relação estreita entre a esclerose e a neoplasia, além da presença de anticorpos RNA polimerase III - e esses, muitas vezes, tinham o diagnóstico de câncer precedendo a esclerodermia em até 2 anos. Biópsia da lesão desses pacientes, com essa expressão de anticorpos, tinha um padrão nucleolar diferente da RNA polimerase III, quando comparado ao de outros pacientes. A relação da esclerose sistêmica com o câncer ainda tem mecanismos pouco compreendidos - se a doença é um preditor de câncer no futuro ou se faz parte de uma síndrome paraneoplásica. No caso do paciente apresentado, houve um período de seis anos para o diagnóstico da esclerodermia, o que não favorece muito o fator de síndrome paraneoplásica.

Em conclusão, os relatos de risco de neoplasia na população com esclerose sistêmica são descritos em vários estudos populacionais. Entretanto, ainda não se conseguiu traçar a fisiopatologia do quadro.

Referências

1. Denton C.P., Khanna D. Systemic sclerosis (2017) The Lancet, 390 (10103) , pp. 1685-1699.

2. Skare TL, Luciano AC, Fonseca AE, Azevedo PM. Autoanticorpos em esclerodermia e sua associação ao perfi l clínico da doença. Estudo em 66 pacientes do sul do Brasil. An Bras Dermatol. 2011;86:1075–81.

3. Horimoto et.al. Incidência e prevalência de esclerose sistêmica em Campo Grande, Estado de Mato Grosso do Sul. rev bras reumatol . 2017;57(2):107–114.

4. Masi AT, Rodnan GP, Medsger TA Jr, Altman RD, D’Angelo WA, Fries JF, et al. Preliminary criteria for the classifi cation of systemic sclerosis (scleroderma). Arthritis Rheum 1980;23:581-90.

5. Barros PD, el al. Recomendações sobre diagnóstico e tratamento da esclerose sistêmica. REV BRAS REUMATOL . 2013 ; 53 ( 3 ) : 258 – 275.

6. LeRoy EC, Black C, Fleischmajer R, Jablonska S, Krieg T, Medsger TA Jr., et al. Scleroderma (systemic sclerosis): classifi cation, subsets and pathogenesis. J Rheumatol 1988;15:202-5.

7. Wigley FM, Hummer LK. Clinical Features of systemic sclerosis in Practical Rhematology 3rd edition, Mosby, 2004.

8. Olesen, A.B., Sværke, C., Farkas, D.K. and Sørensen, H.T. (2010), Systemic sclerosis and the risk of cancer: a nationwide population-based cohort study. British Journal of Dermatology, 163: 800–806. doi:10.1111/j.1365-2133.2010.09861.x

9. Bonifazi M. et.cols. Systemic sclerosis (scleroderma) and cancer risk: systematic review and meta-analysis of observational studies. Rhematology 2013; 52: 143-154.

10. Shah A A, Rose A. Cancer and systemic sclerosis: novel insights into pathogenesis and clinical implications. Division of Rheumatology, Johns Hopkins University, School of Medicine, Baltimore, Maryland, USA Curr Opin Rheumatol. 2011 November ; 23(6): 530–535.

11. Shah AA, Rosen A, Hummers L, et al. Close temporal relationship between onset of cancer and scleroderma in patients with RNA polymerase I/III antibodies. Arthritis Rheum. 2010; 62:2787– 2795.

12. Pearson JE, Silman AJ Risk of cancer in patients with scleroderma. Ann Rheum Dis 2003;62:697–699.

13. Van den Hoogen et.al. 2013 Classifi cation Criteria for Systemic Sclerosis. Arthritis e Rheumatism . American College of Rheumatism. 2013.

14. Manual Prático - Esclerose sistêmica. Sociedade Portuguesa de Reumatologia.


    Autores:

    • Julinaide Nunes Matos, Wallace Tássio da Silva Moura, Mário Bezerra da Trindade Netto, Leila Villas Boas Rosset

Contato

61 3245.1671

61 99668-0935

Horário de funcionamento presencial da SRB - 09 ás 13h

Fale Conosco

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
  • ABRAPAR - Associação Brasiliense de Portadores de Artrite

  • Presidente: Abigail Gomes Silva

  • SQN 202 Bloco F Apto 108

  • CEP: 70832-060 Brasília - DF

  • Fone: (61) 33278826 (61) 34252662

  • Email: abrapar@pop.com.br


  • ANAPAR - Associação Nacional de Grupos de Pacientes Reumáticos

  • Presidente: Abigail Gomes Silva

  • SQN Qd 5 Bloco A Nº 50 Sala 710 Parte A Torre Sul

  • Centro Empresarial Brasília Shopping

  • CEP: 70715-900 Brasília DF

  • Fone: (61) 3201-7172

  • Email: anaparreumato_brasil@yahoo.com.br


  • Associação Brasileira SUPERANDO O LÚPUS

  • Presidente: Eni Maria da Silva

  • Av. Guapira, 600 - Sala 01 - Turucuvi

  • CEP: 02265-001 - São Paulo - SP

  • Fone: (11) 2713-1797 (11) 2713-1797

  • Email: superandolupus@gmail.com

  • Site: www.superandolupus.com.br

  • Comunidade no Orkut: SUPERANDO O LÚPUS

  • ABRALES - Associação Brasileira de Pacientes com Lúpus

  • Presidente: Maria Zuleide

  • Email: abrales@gmail.com

  • Site: www.lupusbrasil.com.br


  • ABRAPES – ASSOCIAÇÃO Brasileira de Pacientes de Esclerose Sistêmica

  • Presidente: Maria do Rosário Costa Mauger

  • Vice-Presidente: Paulo Menezes

  • Rua Dom João VI, n 103 – Vila Nogueira

  • CEP: 13088-005 – Campinas - SP

  • Fone: (19) 3256-7277 (19) 3256-7277

  • Fone da Presidente: (19) 3256-7277 (19) 3256-7277 (19) 9717-7570 (19) 9717-7570

  • E-mail: abrapes@yahoo.com.br


  • ABRESPAN – Associação Brasileira de Portadores de Espondilite Anquilosante

  • Presidente: Eduardo de Souza Meirelles – Médico Reumatologista

  • Rua Joaquim Antunes, 490 – conj. 71 – Pinheiros

  • CEP 05415-001 - São Paulo - SP

  • Fone/Fax: (11) 3081-5999

  • Site em construção: www.abrespan.com.br

  • E-mail: emei@terra.com.br e abrespan@grupos.com.br

  • Responsável ABRESPAN no Rio de Janeiro – RJ: Adriano Macedo Félix

  • Rua Marechal Floriano, 316 – Centro

  • CEP: 28460-000 – Miracema – RJ

  • Fone: (22) 9267-6697 (22) 3852-0947

  • E-mail: adrianomfelix@hotmail.com


  • ACREDITE – Amigos da Criança com Reumatismo

  • Presidente: Dr. Cláudio Arnaldo Len

  • Vice-Presidente: Carmen Schivartche

  • Rua Borges Lagoa 802, V. Clementino

  • CEP 04083-001 - São Paulo-SP

  • Fone/Fax: (11) 5083-4380

  • Telefone do Dr. Cláudio: (11) 9194-8812 (11)9194-8812

  • E-mail: len.cl@terra.com.br

  • Site: www.acredite.org.br

  • GRUPAJUN - Grupo de Pacientes Artríticos de Jundiaí

  • Presidente: Sra. Mara Busato Felício

  • Endereço da presidente: Rua São Pedro, 134, Vila Joana - JUNDIAí

  • (11) 4039-2902 (11) 4039-2902

  • GRUPAR-RP - Grupo de Apoio aos Pacientes Artríticos de Ribeirão Preto

  • Rua: Visconde de Inhaúma, 490 conj. 1006 - 10º andar

  • Centro - Ribeirão Preto-SP

  • Cep: 14010-100

  • Tel (16) 3941-5110 (16) 3941-5110

  • E-mail:grupar-rp@hotmail.com

  • site: www.grupar-rp.org.br

  • Presidente: Drª Nágila Alves Galdino


  • GRUPASP – Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo

  • Presidente: Rioko Kudo

  • Vice-Presidente: Guiomar de Jesus Trovato Mônaco

  • Rua Leandro Dupret, 178 – Vila Clementino

  • CEP 04025-010 – São Paulo-SP

  • Telefax: (11) 5574-6438 (11)5574-5996

  • E-mail: grupasp@superig.com.br

  • Site: www.grupasp.org.br


  • GRUPO DE APOIO AOS PORTADORES DE FIBROMIALGIA DE FRANCA SP

  • Reuniões às quartas-feiras, das 19h30 às 22h, na Paróquia São Sebastião

  • Rua José de Alencar – Franca-SP

  • Contato: Maria Aparecida Rosa

  • Rua Voluntário Arnaldo Vilhena, 442, Bairro Sto. Dumont

  • CEP 14405-347 - Franca - SP

  • Fone: (16)3720-0893 (16)3720-0893 (16) 3723-0448 (16) 3723-0448 (Maria Aparecida)


  • FRANCA ASSOCIAÇÃO DOS PORTADORES DE FIBROMIALGIA DE FRANCA

  • Presidente: Neide Rozendo dos Santos Archanjoletto

  • R. Paulino Liboni, 1020 - São Joaquim 14406-340

  • Franca, SP

  • Tel.: (16) 3720-0893 (16) 3720-0893

  • Site: www.fibromialgia.hpg.com.br


  • LÁGRIMA-BRASIL

  • Presidente: Stella De Carli Cardoso de Oliveira

  • Av. Nossa Senhora de Copacabana 680 - loja G - Copacabana

  • CEP 22050-000 – Rio de Janeiro-RJ

  • E-mail: stella@lagrima-brasil.org.br

  • Site: www.lagrima-brasil.org.br